quinta-feira, 31 de março de 2011

EUA querem que outros países treinem rebeldes da Líbia, diz Gates



Rebeldes foram obrigados a 'improvisar', diz secretário de Defesa dos EUA.

Bombardeios a tropas de Kadhafi não bastaram para ajudar oposicionistas.

Os rebeldes da Líbia precisam receber treinamento, mas fornecido por outros países e não pelos Estados Unidos, afirmou o secretário de Defesa americano, Robert Gates.

"Penso que a oposição (líbia) precisa, antes de mais nada, de treinamento, comando e organização", declarou Gates, antes de afirmar que até agora os rebeldes foram obrigados a improvisar.

"Muitos países estão em condições de dar esta assistência", afirmou Gates, durante uma audiência no Congresso.

"Não é uma capacidade que só os Estados Unidos possuem e, na minha opinião, outros deveriam ser responsáveis por isto", afirmou.

Com o fortalecimento das forças leais a Muamar Kadhafi frente aos rebeldes esta semana, surgiu a dúvida sobre entregar armas aos rebeldes ou não. Estados Unidos, Inglaterra e França afirmaram que consideravam esta possibilidade.

As forças especiais americanas - ou de outro país - estão em condições de fornecer treinamento militar aos rebeldes, mas Gates reafirmou que não serão enviadas tropas americanas à Líbia.

Agentes da CIA, que já estão no país segundo a imprensa americana, também podem dar este tipo de assistência.

A Líbia enfrenta uma batalha desde o começo deste ano, quando manifestações pedindo a renúncia do ditador Kadhafi, há 42 anos no poder, se tornaram confrontos violentos e passaram a ser reprimidos com força pelo regime. No dia 17 deste mês, a Organização das Nações Unidas (ONU) aprovou uma resolução que valida quaisquer medidas necessárias para impedir um massacre de civis. Dois dias depois, a coalizão internacional liderada por Estados Unidos, França e Grã-Bretanha começou a bombardear a Líbia.

quarta-feira, 30 de março de 2011

Pais de menino chinês de 62 kg não sabem motivo da obesidade do filho

Lu Zhihao tem apenas 4 anos e 1,1 metro de altura.
Peso médio para criança da mesma idade é de 17 quilos.

Os pais do menino chinês Lu Zhihao, de 4 anos, que tem 1,1 metro de altura e pesa 62 quilos, ainda não sabem o motivo de o filho ter engordado tanto. Eles disseram que o menino começou a ganhar peso drasticamente a partir dos três meses de idade.

Chinês Lu Zhihao, de 4 anos, tem 1,1 metro de altura e pesa 62 quilos. (Foto: Joe Tan/Reuters)Chinês Lu Zhihao, de 4 anos, tem 1,1 metro de altura e pesa 62 quilos. (Foto: Joe Tan/Reuters)

Preocupados, os pais chegaram a levá-lo a vários hospitais, mas o motivo de sua obesidade ainda não foi diagnosticado. Devido ao peso acima do indicado para a idade, Zhihao tem dificuldade para caminhar, brincar ou fazer atividades físicas.

Segundo especialistas, o peso médio para uma criança de quatro anos é de 17 quilos.

Lu Zhihao tem dificuldades para praticar esportes. (Foto: Joe Tan/Reuters)Lu Zhihao tem dificuldades para praticar esportes. (Foto: Joe Tan/Reuters)
Lu Zhihao em sua escolinha em Foshan, na província de Guangdong. (Foto: Joe Tan/Reuters)Lu Zhihao em sua escolinha em Foshan, na província de Guangdong. (Foto: Joe Tan/Reuters)
Lu Zhihao é muito maior do que crianças da mesma idade. (Foto: Joe Tan/Reuters)Lu Zhihao é muito maior do que crianças da mesma idade. (Foto: Joe Tan/Reuters)

terça-feira, 29 de março de 2011

Lula se emociona e chora ao falar da morte de José Alencar

Ex-presidente disse que vai dedicar título 'honoris causa' a José Alencar.
'O Brasil perde um homem de dimensão excepcional', disse Lula.

Luiz Inácio Lula da Silva  (Foto: Natasha Bin/ G1)O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi às lágrimas nesta terça-feira (29), em Coimbra, ao falar sobre a morte do ex-vice-presidente José Alencar. "Conheço poucos seres humanos que tenham a alma de José Alencar, a bondade dele”, disse. “O Brasil perde um homem de dimensão excepcional”.

José Alencar, 79 anos, morreu às 14h41 desta terça (29), no hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, em razão de câncer e falência múltipla de órgãos, segundo informou o hospital. Lula e Dilma disseram ter recebido a notícia juntos, por telefone, pelo médico Raul Cutait.

Lula e Dilma regressam ao Brasil nesta quarta-feira (30), após cerimônia na Universidade de Coimbra de entrega do título "doutor honoris causa" ao ex-presidente Lula.

Lula e Dilma devem chegar a Brasília por volta das 20h desta quarta, segundo a assessoria do Palácio do Planalto. As reuniões de Dilma Rousseff com o presidente de Portugal, Cavaco Silva, e com o primeiro-ministro português, José Sócrates, foram canceladas.


O ex-presidente afirmou que vai dedicar o título de "doutor honoris causa" pela Universidade de Coimbra a José Alencar.

Medicamentos
Lula disse que foi questionado pela equipe médica e pela família sobre a possibilidade de Alencar parar de tomar os medicamentos de combate ao câncer. "Eu era favorável que ele parasse de tomar remédio, queria que ele vivesse da forma mais prazerosa possível”, disse Lula.

Lula disse que conversou com Alencar antes de viajar para Portugal. "Falei com ele praticamente toda a semana. Ele era um otimista. Antes de vir para cá, eu liguei para ele", afirmou. "Ele [Alencar] sabia que do ponto de vista clínico não tinha muita expectativa, mas ele tinha esperança", concluiu.

Milhares se reúnem em praça em apoio a presidente da Síria

29/03/2011 07h03 - Atualizado em 29/03/2011 07h11

País enfrenta protestos contra e a favor de Bachar Al Assad.
Governo sírio deve renunciar nesta terça-feira, diz alto funcionário.

Uma manifestação em apoio ao presidente da Síria, Bachar Al Assad, reúne milhares de pessoas em uma praça em Damasco. Al Assad sofre uma série de protestos desde que chegou ao poder em 2000.

saiba mais

"Nos sacrificaremos por ti, Bachar", gritam os manifestantes que chegam a pé ou de ônibus na praça Sabaa Bahrat, em frente ao Banco Central. Outras manifestações estão programadas por cidades de todo o país.

"Deus, Síria, Bashar é um todo" e "Um, um, um, o povo sírio é um", afirmaram os manifestantes, com bandeiras sírias e fotos do presidente.

Manfestantes lotam praça em Damasco em apoio ao presidente sírio (Foto: AP)Manifestantes lotam praça em Damasco em apoio ao presidente sírio (Foto: AP)

Segundo um alto funcionário em Damasco, o governo do primeiro-ministro sírio Naji Otri renunciará nesta terça-feira(29) e um novo gabinete será formado nas próximas 24 horas. "O governo apresentará sua renúncia e um novo gabinete será constituído nas próximas 24 horas", declarou a fonte, que pediu anonimato.

Este anúncio acontece no momento em que o regime enfrenta uma onda de protestos, com manifestações em várias cidades do país, alinhada com as revoltas nos países do mundo árabe. Cento e trinta pessoas morreram nas manifestações, segundo os opositores do regime, 30, de acordo com o governo.

A Síria é um país de várias religiões e etnias, com maioria sunita e minorias alauita, que controla o poder, cristã e curda.

segunda-feira, 28 de março de 2011



Agência meteorológica japonesa alerta para possível tsunami

27/03/2011 19h41 - Atualizado em 27/03/2011 21h03

Agência meteorológica japonesa alerta para possível tsunami

Órgão oficial espera ondas de 0,5 metro na região de Miyagi.
Tremor 'muito raso' de magnitude 6,5 originou fenômeno.

A Agência Meteorológica do Japão soltou um alerta de tsunami para a região de Miyagi, no nordeste do país, na noite deste domingo (horário de Brasília).

A área foi devastada pelo terremoto seguido de tsunami em 11 de março passado, além de ser vizinha à de Fukushima, onde está a usina nuclear também afetada pelo desastre.

O comunicado foi publicado às 7h27 da manhã de segunda-feira, pelo horário local. "Tsunamis são esperados para chegar iminentemente" na região, diz o informe.

Mapa da agência japonesa mostra o epicentro do tremor, indicado com um X vermelho. (Foto: Reprodução)Mapa da agência japonesa mostra o epicentro do
tremor, indicado com um X vermelho.
(Foto: Reprodução)

Os tsunamis foram originados por um tremor de magnitude 6,5 na escala Richter, ocorrido numa profundidade "muito rasa". O tamanho esperado das ondas é de 0,5 metro.

Desde o grande terremoto e posterior tsunami do dia 11, que arrasou vastas zonas do litoral nordeste do Japão, já ocorreram cerca de 700 réplicas, e quase diariamente se registrou um tremor de magnitude 6.

* Com agências internacionais.

sábado, 26 de março de 2011

Rebeldes líbios afirmam ter o controle da cidade de Brega

Exército francês derrubou cinco aviões e dois helicópteros de Kadhafi.
França usa porta-aviões para realizar ataques.

Caças Rafale partem do porta-aviões francês Charles de Gaulle para ataques no território líbio (Foto: Benoit Tessier/Reuters)Caças Rafale partem do porta-aviões francês
Charles de Gaulle para ataques no território líbio
(Foto: Benoit Tessier/Reuters)

Rebeldes líbios afirmam ter obtido o controle da cidade de Brega, na região leste da Líbia, localizada a cerca 182 km a oeste da capital Trípoli, neste sábado (26). As forças da coalizão ainda não confirmaram a informação.

"As forças rebeldes ocupam 100% de Brega", disse Shamsiddin Abdulmolah, porta-voz do grupo de libertação em Benghazi. Ele disse também que mais tropas de oposição ao governo de Kadhafi saíram nas ruas, o que prova o sucesso da campanha rebelde no país.

O exército francês conseguiu abater com sucesso cinco aeronaves Galeb e dois helicópteros de combate Mi-35 do governo líbio próximo a cidade de Misrata, de acordo com o Ministério da defesa do país. Este ataque foi alguns da França na Líbia nas últimas 24 horas, que investiu contra diversos alvos nas cidades de Zintan e Misrata.

A França continua utilizando caças Rafale que partem do porta-aviões Charles de Gaulle que está no Mar Mediterrâneo.

Cidade tomada pelos rebeldes

Na madrugada de sábado, o acesso pelo leste da estratégica cidade de Ajdabiya, a 160 quilômetros ao sudoeste de Benghazi, na Líbia, caiu em mãos dos rebeldes.

Os rebeldes conseguiram entrar na localidade e lançaram um ataque contra o local onde as forças do líder líbio, Muammar Kadhafi, guardavam sua munição e interromperam a passagem ao centro da cidade.

Segundo informações da rede de TV "Al Jazeera", os rebeldes fizeram vários prisioneiros e mataram um número não preciso de combatentes das forças de Kadhafi.

Povo comemora a tomada de tanque de Kadhafi na entrada da cidade de Ajdabiyah (Foto: Suhaib Salem/Reuters)Povo comemora a tomada de tanque de Kadhafi na entrada da cidade de Ajdabiyah (Foto: Suhaib Salem/Reuters)

A aviação da coalizão internacional lançou nesta sexta-feira (25) sucessivos ataques sobre as posições das brigadas de Kadafi, que controlavam o centro da cidade e mantinham carros de combate e unidades blindadas em alguns de seus acessos para sustentar o controle viário do leste do país.

Os rebeldes planejaram o assalto durante toda a tarde de ontem, quando vários veículos com o armamento pesado disponível em mãos rebeldes foi transferido desde Benghazi até as imediações de Ajdabiya.

Com informações da EFE, da AFP e Reuters


sexta-feira, 25 de março de 2011

Mortos por terremoto chegam a 70 em Mianmar e na Tailândia



Tremor de 6,8 graus na escala Richter derrubou edifícios e assustou turistas
EFE
World VisionMynamar/AFPWorld VisionMynamar/AFP

Terremoto de 6,8 graus destruiu estradas na região de Tachilek, em Mianmar; ao menos 70 pessoas morreram e mais de cem ficaram feridas

Publicidade


Ao menos 70 pessoas morreram e mais de cem ficaram feridas no terremoto de 6,8 graus na escala Richter que atingiu a região fronteiriça entre Mianmar, Tailândia e Laos nesta quinta-feira (24), indicaram fontes oficiais.

A maior parte das mortes aconteceu em aldeias situadas na região nordeste de Mianmar, próxima à Tailândia, de acordo com funcionários da cidade de Tachilek citados pela rádio estatal tailandesa.

Além de Tachilek, também houve vítimas e edifícios derrubados em Mong Lin, Mang Pyak e Tarlay. Neste último povoado, próximo ao epicentro, 20 pessoas morreram e 45 edifícios desmoronaram, incluindo os mosteiros de Fonekha, Naamkham e Parhlaing.
Também houve relatos de edifícios parcialmente destruídos em Mong Lin e Tachilek.

quarta-feira, 23 de março de 2011


Agencia EFE 24/03/2011 00h18 - Atualizado em 24/03/2011 00h18 Japão já conta 25.500 vítimas por terremoto e tsunami

Tóquio, 24 mar (EFE).- O número de mortos em consequência do terremoto e do posterior tsunami do dia 11 no Japão foi atualizado nesta quinta-feira para 9.523, enquanto o de desaparecidos subiu a 16.067, de acordo com o último boletim da Polícia japonesa.

Treze dias depois do terremoto de 9 graus no litoral nordeste do Japão, o pior desastre natural no país após a Segunda Guerra Mundial, a previsão é que o número de vítimas ainda aumente, enquanto se tenta reconstruir as estruturas danificadas para atender aos desabrigados.

Cerca de 200 mil pessoas foram evacuadas de suas casas a algum dos 2.000 abrigos temporários disponibilizados pelo Governo.

Segundo os números oficiais, em Miyagi houve 5.714 mortos, além de 2.939 em Iwate e 812 em Fukushima, enquanto os desaparecidos são contados aos milhares nessas três províncias, as mais devastadas.

De acordo com a emissora pública "NHK", o menor número de vítimas na província de Fukushima pode ser explicado pela suspensão das tarefas de busca no perímetro de evacuação de 20 quilômetros ao redor da instável usina nuclear de Fukushima Daiichi.

Nessa área de exclusão há localidades litorâneas muito afetadas pelo terremoto e o posterior tsunami, como Futaba e Minami Soma.

Segundo os dados da Polícia japonesa, há pelo menos 18 mil casas destruídas e 130 mil edifícios danificados, sobretudo nas áreas litorâneas do nordeste.

Desde o terremoto do dia 11, o Japão é atingido por fortes réplicas e em praticamente todos os dias há um tremor de mais de 6 graus na escala Richter. EFE

terça-feira, 22 de março de 2011

Motorista que levava jornalistas diz que eles foram detidos no dia 19.
Carro teria sido incendiado por militares।

Três jornalistas ocidentais, incluindo dois repórteres da Agência France Presse e um fotógrafo da agência Getty Images, que cobriam o conflito na Líbia, foram detidos no dia 19 de março na região de Tobruk (leste) por soldados do Exército líbio.

Os jornalistas da AFP, Dave Clark (britânico) e Roberto Schmidt (dupla nacionalidade colombiana e alemã), e o fotógrafo da Getty, Joe Raedle (americano), não dão notícias desde sexta-feira (18).

O motorista dos três jornalistas, Mohamed Hamed, que voltou a Tobruk no domingo (20) , informou à AFP que na manhã de sábado (19) os repórteres pediram para viajar até Ajdabiya, cidade cercada pelas forças de Muamar Kadhafi. A poucos quilômetros de Ajdabiya, segundo o motorista, foram perseguidos pelos militares e detidos.

Confronto na cidade de Ajdabiya entre os rebeldes e as forças pró-Kadhafi (Foto: AP)Confronto na cidade de Ajdabiya entre os rebeldes e as forças pró-Kadhafi (Foto: AP)

Quatro soldados os obrigaram a descer do carro sob a ameaça das armas. Dave Clark, contou o motorista, gritou "sahafa, sahafa" (imprensa, imprensa), mas os três jornalistas foram obrigados a ficar de joelhos com as mãos na nuca à beira da estrada.

De acordo com Hamed, os militares incendiaram vários veículos, incluindo o dos jornalistas, que foram levados em um caminhão para um local desconhecido.

Dave Clark, de 38 anos, que trabalha em Paris, é enviado especial da AFP à Líbia desde 8 de março. Roberto Schmidt, 45, fotógrafo do escritório da agência em Nairóbi, está na Líbia desde 28 de fevereiro. Joe Raedle tem 45 anos.


sábado, 19 de março de 2011

Quatro tanques são destruídos por aviões franceses na Líbia Veículos estariam sendo usados por forças leais ao ditador Gaddafi

Aviões de guerra franceses destruíram quatro tanques usados por forças leais ao ditador líbio Muammar Gaddafi, neste sábado (19).

O ataque ocorreu nos arredores do quartel-general da oposição em Benghazi, a principal cidade do foco de resistência ao ditador. As informações são da rede de TV AlJazeera, sediada no Catar.

Os rebeldes afirmam enfrentar constante artilharia neste sábado, apesar do cessar-fogo anunciado por Gaddafi. Os bombardeios dos aviões franceses são a primeira ação militar internacional contra o ditador da Líbia.

Segundo o Ministério da Defesa francês, a missão pretende garantir a exclusão do espaço aéreo e evitar ataques de militantes pró-Gaddafi contra a população civil.

Ainda de acordo com o ministério, a intenção também é garantir a exclusão do espaço aéreo. Em entrevista coletiva, o coronel do Estado-Maior do Exército, Thierry Burkhard, caças franceses atiraram contra um veículo militar líbio.

Os países reunidos na Cúpula de Paris entraram em acordo para a aplicação da resolução do Conselho de Segurança da ONU (Organização das Nações Unidas) sobre a Líbia, afirma Burkhard.

Na quinta-feira (17), o Conselho de Segurança aprovou ações contra o regime do ditador líbio.

Após a resolução da ONU, Gadaffi anunciou um cessar-fogo. No entanto, cidades que estavam nas mãos de opositores foram atacadas durante o dia.

Gaddafi diz que criará um "inferno" se Líbia for atacada

Em uma entrevista à Rádio Televisão Portuguesa (RTP), na qual advertiu que um conflito como esse acabaria com a segurança no Mediterrâneo, Muammar Gaddafi assegurou que criará um "inferno" sobre quem atacar.

- Se o mundo atua como um louco, nós faremos o mesmo. Vamos responder. Também faremos de sua vida um inferno. Nunca terão paz. A região do Mediterrâneo ficaria danificada, destruída, não haveria nenhuma circulação segura nem marítima nem aérea.

Na entrevista, Gaddafi se mostrou convencido de que o povo de Benghazi, onde se concentram os rebeldes contra seu regime, é fiel a ele e quer ser libertado dos "agentes de [Osama] Bin Laden".

- O povo de Benghazi está conosco, está comigo, nos pedem que vamos libertá-los. Estamos combatendo o terrorismo, que é um inimigo para a Líbia e para o mundo.

Perguntado sobre possíveis negociações para acabar com o conflito que vive seu país, Gaddafi se perguntou primeiro com ceticismo: "Com quem?", embora mais adiante tenha expressado sua disposição, "se for necessário", de conversar com os "terroristas".

O dirigente líbio também rejeitou a intervenção do Conselho de Segurança da ONU e afirmou que não reconhece suas resoluções porque não há uma guerra entre dois países que a justifique.

*Com agências internacionais

EMOÇÃO

Dilma Rousseff e Barack Obama cumprimentam crianças na cerimônia oficial de chegada ao Brasil na manhã deste sábado (19), no Palácio do Planalto

Gaddafi desrespeita cessar-fogo e mata 8 em ataque a Benghazi

Pelo menos oito pessoas morreram e várias ficaram feridas durante o bombardeio produzido neste sábado (19) por forças leais ao líder líbio, Muammar Gaddafi, sobre Benghazi, a segunda maior cidade do país e reduto dos rebeldes, informou a emissora Al Jazeera.

As forças fiéis ao líder líbio desrespeitaram o cessar-fogo anunciado na sexta-feira (18) e atacaram vários pontos da cidade de Benghazi, o principal reduto dos rebeldes. Segundo a Al Jazeera, um helicóptero de combate foi derrubado e que as tropas de Gaddafi vieram por terra e pelo ar.

Os representantes dos Estados Unidos, de países da Europa e integrantes da Liga Árabe discutem no sábado em Paris, na França, os detalhes da intervenção armada na Líbia. O desrespeito ao cessa-fogo, que já havia ocorrido na sexta com ataques a Misrata, pode acelerar as decisões.

O chanceler (ministro das Relações Exteriores) francês, Allain Juppé, disse que o ataque pode começar a qualquer hora.

O encontro vai reunir a secretária de Estado americana, Hillary Clinton, o primeiro-ministro britânico, David Cameron, o presidente da França, Nicolas Sarkozy, e líderes árabes.

Eles vão discutir como implementar a zona de exclusão aérea, aprovada pelo Conselho de Segurança da ONU nesta quinta-feira (17), a criação de uma zona de exclusão aérea. A resolução autoriza o ataque de forças ocidentais ao regime de Muammar Gaddafi, no poder há quatro décadas.

Estados Unidos, França e Reino Unido já deram um ultimato ao regime, para que pare de atacar cidades controladas por rebeldes, que tentam derrubá-lo após quatro décadas no poder.

Gaddafi perde batalha para rebeldes

O Exército de Muammar Gaddafi lutou em vão na sexta-feira para capturar Misrata das mãos dos rebeldes, e bombardeou a cidade noite adentro, ignorando o cessar-fogo que havia sido declarado pelo governo, segundo um morador da cidade.

Os ataques começaram logo no início da manhã e perduraram até o anoitecer, disse o morador, chamado Mohammad. Ele relatou que, durante a tarde, batalhões leais a Gaddafi, apoiados por cerca de 40 tanques, enfrentaram os rebeldes, mas acabaram se retirando.

- Eles foram atacados pelos rebeldes. Conseguimos destruir 11 veículos deles, incluindo um par de tanques. Pegamos um tanque deles e cinco caminhonetes. A batalha durou cerca de quatro ou cinco horas, até que eles partiram.

Médicos da cidade disseram que houve um bombardeio indiscriminado e que pelo menos 38 pessoas morreram devido aos combates.

Regime líbio convoca observadores internacionais

O vice-ministro das Relações Exteriores da Líbia, Khaled Kaim, convidou, nesta sexta-feira (18), observadores internacionais a monitorar o cessar-fogo anunciado pelo governo da Líbia, após a ONU ter autorizado ataques ao país para proteger civis.

Kaim convidou Alemanha, China, Malta e Turquia para enviar observadores para monitorar o cessar-fogo. Líderes da oposição acusaram o regime de violar a suspensão das operações, anunciada unilateralmente pelo regime, o que Kaim negou.

O porta-voz de Gaddafi disse que “a integridade da Força Aérea da Líbia não está em serviço” nos últimos dias.


quinta-feira, 17 de março de 2011

17/03/2011 19h48 - Atualizado em 17/03/2011 22h06 ONU aprova 'todas as medidas necessárias' para lidar com a Líbia Resolução foi aprovada por 10 dos 1

O Conselho de Segurança das Nações Unidas aprovou nesta quinta-feira (17) a criação de uma zona de exclusão aérea sobre a Líbia e a adoção de "todas as medidas necessárias" para proteger civis contra as forças do governo Muammar Kadhafi, o que na prática autoriza ações militares.

A resolução foi aprovada por dez dos 15 membros do conselho. Brasil, China, Rússia, India e Alemanha se abstiveram. Não houve votos contrários à medida, que era defendida por França, Inglaterra, Líbano e os Estados Unidos.

Membros do Conselho de Segurança durante votação da resolução, na sede da ONU, em Nova York, nesta quinta (Foto: Jessica Rinaldi / Reuters)Membros do Conselho de Segurança durante votação da resolução, na sede da ONU, em Nova York, nesta quinta (Foto: Jessica Rinaldi / Reuters)

O anúncio foi recebido com comemoração por milhares de manifestantes antigoverno na cidade de Benghazi, segunda maior cidade líbia que se tornou o reduto da oposição a Kadhafi.

A medida foi saudada com fogos de artifício, gritos e tiros para o ar, segundo a TV árabe Al Jazeera. Nesta quinta, o ditador anunciou que as forças governamentais atacariam a cidade na noite desta quinta. O ministro francês das Relações Exteriores, Alain Juppé, advertiu que não há muito tempo para interveir. "Pode ser uma questão de horas".

A Líbia estima que a resolução da ONU adotada nesta quinta-feira "ameaça a unidade" do país e constitui um "apelo aos líbios para que se matem", disse o vice-ministro líbio das Relações Exteriores, Khaled Kaaim."Esta resolução traduz uma atitude agressiva da comunidade internacional, que ameaça a unidade da Líbia", declarou.

Segundo o vice-ministro líbio, a decisão é resultado de um "complô" da comunidade internacional "guiado pela vontade de países como França, Grã-Bretanha e Estados Unidos para dividir a Líbia".

Justificativa brasileira
A justificativa para a abstenção brasileira na votação, lida pela embaixadora Maria Luiza Viotti durante a sessão, diz que o país não está convencido de que "o uso da força" levará "à realização do nosso objetivo comum – o fim imediato da violência e a proteção de civis".

"Estamos também preocupados com a possibilidade de que tais medidas tenham os efeitos involuntários de exacerbar tensões no terreno e de fazer mais mal do que bem aos próprios civis com cuja proteção estamos comprometidos", diz o texto, divulgado pelo Itamaraty.

A justificativa diz ainda que a posição brasileira não deve ser interpretada como "endosso do comportamento das autoridades líbias ou como negligência para com a necessidade de proteger a população civil e respeitarem-se os seus direitos".

Sanções
O embaixador britânico na ONU, Mark Lyall Grant, afirmou antes que a resolução irá ampliar as sanções sobre o governo de Kadhafi, sem especificá-las.

O rascunho da resolução obtido pela agência Reuters antes da votação pede para que haja congelamento dos bens da Libyan National Oil Corp. e do banco central líbio devido a vínculos com Muamar Kadhafi.

Os Estados Unidos, anteriormente relutantes à ideia de uma intervenção militar, disseram nesta quinta-feira que o Conselho de Segurança da ONU deveria considerar a adoção de medidas mais duras do que a imposição de uma zona de exclusão aérea na Líbia.

"Estamos discutindo muito seriamente e comandando os esforços no Conselho a respeito de uma gama de ações que acreditamos ser eficazes para proteger os civis", disse a embaixadora dos EUA na ONU, Susan Rice, na noite de quarta-feira em Nova York. "A visão dos EUA é que precisamos estar preparados para contemplar os passos que incluem uma zona de exclusão aérea, talvez indo além dela", afirmou.

ONU aprova 'todas as medidas necessárias' para lidar com a Líbia Resolução foi aprovada por 10 dos 15 membros do Conselho de Segurança. Brasil, China,





segunda-feira, 14 de março de 2011



2.000 corpos são encontrados em cidade japonesa Primeiro-ministro fala que desastre é o pior desde bomba atômica na Segunda Guerra


Equipes de resgate do Japão encontraram cerca de 2.000 corpos na Província de Miyagi, uma das mais atingidas pelo tsunami que sucedeu o forte terremoto de 8,9 graus na última sexta-feira (11). A notícia é da agência Kyodo.

O número de mortos não para de subir e os japoneses agora temem um desastre radioativo, após a explosão de dois reatores nucleares. Nesta segunda-feira (14), o primeiro-ministro Naoto Kan disse que a tragédia é a pior a atingir o país desde o bombardeio atômico na Segunda Guerra Mundial.


Equipes de resgate do Japão encontraram cerca de 2.000 corpos na Província de Miyagi, uma das mais atingidas pelo tsunami que sucedeu o forte terremoto de 8,9 graus na última sexta-feira (11). A notícia é da agência Kyodo.

O número de mortos não para de subir e os japoneses agora temem um desastre radioativo, após a explosão de dois reatores nucleares. Nesta segunda-feira (14), o primeiro-ministro Naoto Kan disse que a tragédia é a pior a atingir o país desde o bombardeio atômico na Segunda Guerra Mundial.



Segundo o primeiro-ministro, "em 65 anos desde o fim da Segunda Guerra Mundial, esta é a mais dura e a mais difícil crise no Japão".

O número oficial de mortos ainda é de 1.600, além de 1.400 desaparecidos. Mas só na Província de Miyagi, as autoridades locais disseram ter encontrado 2.000 corpos nesta segunda-feira, segundo a agência de notícias Kyodo.

Cerca de mil corpos achados na cidade de Ojika e outros 1.000 em Minamisanriku, onde 9.500 pessoas estão desaparecidas - a metade da população local.

Alguns veículos da imprensa japonesa acreditam, no entanto, que é possível que muitos desses desaparecidos fugiram a tempo para localidade vizinhas.

Cerca de 100 mil militares vasculham os escombros em busca de vítimas. Mais de 400 mil habitantes tiveram de deixar suas casas por causa do desastre, a maior crise do Japão desde a Segunda Guerra Mundial, segundo o primeiro-ministro, Naoto Kan.

Usina nuclear tem nova explosão

A usina nuclear de Fukushima 1 registrou mais uma explosão nesta segunda-feira, desta vez no reator três, aumentando o temor de um desastre nuclear. Segundo o governo, a possibilidade de um vazamento radioativo de alta intensidade é pequena.
Os incidentes ocorreram após a central nuclear ser danificada pelo terremoto de 8,9 graus que destruiu a costa nordeste do país na última sexta-feira (11).

Sete pessoas estão desaparecidas e três ficaram feridas após explosão de reator três.

Mais de 200 mil pessoas já foram retiradas de um raio de 20 km ao redor da usina. Mais de cem pessoas tiveram contato com a radiação e passam por exames para averiguar o nível de contaminação.


Um novo terremoto na costa nordeste do Japão provocou a emissão de um alerta de tsunami pela Agência Meteorológica do país nesta segunda-feira. A onda gigante, no entanto, acabou não atingindo o litoral.

O aviso ocorreu após um helicóptero do governo ter visto uma onda de três metros em alto mar, que seguia em direção ao litoral.

Um novo terremoto foi sentido em Tóquio nesta segunda-feira (hora local) por volta das 10h (22h de sábado em Brasília), de uma magnitude de 6,2 graus segundo a agência meteorológica japonesa.

Segundo o primeiro-ministro, "em 65 anos desde o fim da Segunda Guerra Mundial, esta é a mais dura e a mais difícil crise no Japão".

O número oficial de mortos ainda é de 1.600, além de 1.400 desaparecidos. Mas só na Província de Miyagi, as autoridades locais disseram ter encontrado 2.000 corpos nesta segunda-feira, segundo a agência de notícias Kyodo.

Cerca de mil corpos achados na cidade de Ojika e outros 1.000 em Minamisanriku, onde 9.500 pessoas estão desaparecidas - a metade da população local.

Alguns veículos da imprensa japonesa acreditam, no entanto, que é possível que muitos desses desaparecidos fugiram a tempo para localidade vizinhas.

Cerca de 100 mil militares vasculham os escombros em busca de vítimas. Mais de 400 mil habitantes tiveram de deixar suas casas por causa do desastre, a maior crise do Japão desde a Segunda Guerra Mundial, segundo o primeiro-ministro, Naoto Kan.

Usina nuclear tem nova explosão

A usina nuclear de Fukushima 1 registrou mais uma explosão nesta segunda-feira, desta vez no reator três, aumentando o temor de um desastre nuclear. Segundo o governo, a possibilidade de um vazamento radioativo de alta intensidade é pequena.
Os incidentes ocorreram após a central nuclear ser danificada pelo terremoto de 8,9 graus que destruiu a costa nordeste do país na última sexta-feira (11).

Sete pessoas estão desaparecidas e três ficaram feridas após explosão de reator três.

Mais de 200 mil pessoas já foram retiradas de um raio de 20 km ao redor da usina. Mais de cem pessoas tiveram contato com a radiação e passam por exames para averiguar o nível de contaminação.

País tem novo alerta de tsnuami

Um novo terremoto na costa nordeste do Japão provocou a emissão de um alerta de tsunami pela Agência Meteorológica do país nesta segunda-feira. A onda gigante, no entanto, acabou não atingindo o litoral.

O aviso ocorreu após um helicóptero do governo ter visto uma onda de três metros em alto mar, que seguia em direção ao litoral.

Um novo terremoto foi sentido em Tóquio nesta segunda-feira (hora local) por volta das 10h (22h de sábado em Brasília), de uma magnitude de 6,2 graus segundo a agência meteorológica japonesa.

sexta-feira, 11 de março de 2011

Terremoto do Japão pode ter deslocado eixo da Terra Tremor atingiu magnitude de 8,9 na escala Richter na província de Miyagi



O devastador terremoto de 8,9 graus de magnitude na escala Richter que abalou nesta sexta-feira (11) o Japão pode ter deslocado em quase 10 centímetros o eixo de rotação da Terra, segundo um estudo preliminar do INGV (Instituto Nacional de Geofísica e Vulcanologia da Itália).

Serviço do Google permite buscar vítimas do terremoto

O INGV, que desde 1999 estudou os diversos fenômenos sísmicos registrados na Itália, como o devastador terremoto da região dos Abruzos de 6 de abril de 2009, explica em uma nota que o impacto do terremoto do Japão sobre o eixo da Terra pode ser o segundo maior de que se tem notícia. Em comunicado, o instituto disse:

- O impacto deste fato sobre o eixo de rotação foi muito maior que o do grande terremoto de Sumatra de 2004 e provavelmente é o segundo maior, atrás apenas do terremoto do Chile de 1960.

Mais de 300 pessoas morreram na província japonesa de Miyagi (ao leste do país) por causa do tsunami provocado pelo terremoto, mas ainda há 349 desaparecidos em todo o território japonês. Teme-se que o número de mortos aumente, já que há edifícios destruídos em várias regiões.

Mortos por tremor seguido de tsunami podem passar de mil


Tsunami se aproxima da costa em Natori, cidade localizada no nordeste do Japão

O violento terremoto seguido de tsunami nesta sexta-feira, no nordeste do Japão, pode ter deixado mais de mil mortes, segundo a agência de notícias Kyodo. O número de vítimas aumenta de minuto em minuto. Segundo cifras anteriores da polícia, haveria pelo menos 337 mortos, 531 desaparecidos e 627 feridos, dez horas após o abalo violento, de magnitude 8,9.

O tremor, que abalou o nordeste do país, foi o mais forte já registrado em 140 anos no Japão. O incidente foi seguido de um tsunami de vários metros de altura no litoral do Pacífico.

O abalo aconteceu às 14h46 (2h46 de Brasília) a 24,4 km de profundidade e a 100 km ao longo da prefeitura de Miyagi. Ondas de 10 m de altura quebraram no litoral da prefeitura (Estado) de Sendai enquanto vagas de sete metros atingiram a vizinha Fukushima, segundo a imprensa local.

O número de mortos está em 288, além de 349 desaparecidos. No entanto, não estão incluídos na conta os corpos encontrados na praia de Sendai, na prefeitura de Miyagi, no nordeste do país, que são entre 200 e 300, segundo a agência de notícias Jiji. Na mesma ilha, um navio com cerca de 100 pessoas a bordo foi levado pelas águas, ignorando-se o destino dos seus ocupantes.

Tremores secundários de forte potência, com magnitude superior a 6, e até 7, foram registrados em seguida e sentidos até na capital. O Japão, situado na confluência de quatro placas tectônicas, sofre anualmente cerca de 20% dos tremores mais fortes recenseados na Terra. Em 1923, a cidade de Tóquio havia sido devastada por um sismo maior, que fez 140.000 mortes. Mais recentemente, em 1995, o sismo de Kobe (oeste) fez mais de 6.400 mortos.

Após o terremoto de hoje, a maior parte dos Estados do Pacífico, da Oceania e da América Latina, emitiram alertas de tsunami, mas nenhum dano significativo foi observado até o momento fora do arquipélago nipônico. As zonas litorâneas foram evacuadas nas ilhas Marianas, assim como nas de Guam e no Havaí. A Colômbia constatou um aumento de 50 centímetros no nível do mar. No Equador, onde foi decretado estado de exceção, foi ordenada a evacuação das regiões ameaçadas.

Em Tóquio, a cerca de 380 km do epicentro, os arranha-céus, construídos sobre estruturas parassísmicas especiais, balançaram durante longos minutos. As autoridades também indicaram que também há centenas de feridos.

Um trem de passageiros, com um número desconhecido de pessoas a bordo, também desapareceu na prefeitura de Miyagi após ter sido engolido por uma onda de 10 m, segundo a agência de notícias Kyodo.

O ministério da Indústria informou que os 11 reatores nucleares da região pararam automaticamente. Um princípio de incêndio foi observado no prédio onde fica a turbina da central nuclear de Onagawa situada em Miyagi. No entanto, não foi registrado nenhum vazamento radiativo nesta instalação nem nos outros sítios nucleares atingidos, segundo as autoridades. Na região de Tóquio, uma refinaria de petróleo estava em chamas em Iichihara.

As televisões nipônicas divulgavam ao vivo imagens de casas inundadas, de navios emborcados, de viaturas submersas pelas águas. Uma onda de lama e de destroços seguiu em grande velocidade através de campos e estradas, devastando tudo a sua passagem. Em alguns lugares, a água penetrou até 5 km pelo interior.

Um teto desabou num prédio do centro de Tóquio, onde 600 estudantes participavam de uma cerimônia de diplomação, fazendo numerosos feridos, segundo os bombeiros e a mídia local. Nos edifícios, os ascensores pararam automaticamente, enquanto milhões de pessoas corriam nas ruas. Dezenas de incêndios foram observados na capital, onde há muitos feridos.

O aeroporto internacional de Narita, a cerca de 50 km a leste de Tóquio, suspendeu o tráfego por várias horas, anunciando, à noite, que as operações recomeçavam progressivamente. Os transportes ferroviários e rodoviários também foram interrompidos em grande parte do arquipélago, em particular em Tóquio e sua região, bloqueando milhões de pessoas que tomaram de assalto os hotéis da cidade, ou tentavam chegar as suas casas a pé.

Os trens expressos Shinkansen pararam em todo o nordeste e as estradas da região de Tóquio foram fechadas alguns minutos após o terremoto. Também na capital nipônica, quatro milhões de lares estavam sem eletricidade.

Tsunami Japan earthquake 8.9 (CNN HD) (imagens fortes de terremoto no Ja...

NOTICIA DE ULTIMA HORA!!! JAPÃO SOFRE TERRREMOTO E TSUNAMI.






O tremor que vem sendo sentido no Japão desde o começo da semana veio com mais força no dia de hoje 11/03/11 por volta das 15h00min horas horário local o tremor que teve seu epicentro a cerca de 400 quilômetros de Tóquio pode ser sentido na maior parte do Japão até agora já foram confirmados 300 mortos, porém esse numero pode aumentar, pois alem do tremor o Japão também esta sofrendo um tsunami causado pelo tremor de 8,9 graus na escala Richter esse tsunami pode vir a atingir outros lugares mais de 20 países estão em estado de alerta alguns deles na América do sul os países em estado de alerta são:Austrália, Nova Zelândia e Indonésia até a Rússia, Estados Unidos e países da América Central e do Sul, como Guatemala, El Salvador, Costa Rica, Chile, Equador entre outros.

O numero de mortos no Japão só não foi maior, pois o Japão é um país muito bem preparado para tremores com prédios com ‘’molas’’ que fazem com que o prédio balance, mas não caia.

Na China também foi sentido pequenos tremores, mas como o país não estava muito preparado tiveram 25 mortos até agora isso com um tremor de aproximadamente 4.0 graus, ou seja, vendo isso percebemos como o Japão está preparado.

O governo do Japão criou um gráfico de quando as ondas serão sentidas em outros países.

Vários focos de incêndio foram emitidos no Japão até um foco de incêndio em uma usina nuclear o alerta foi emitido e os bombeiros tentam extinguir o fogo, pois um vazamento nuclear numa hora dessas não seria muito bom.

Vamos ficar na esperança de que não ocorram mais tremores no Japão.

Discurssão ( pierre e Alceu valença )

Discussão entre Pierre e Alceu Valença no último dia de carnaval(Vitória-PE)

No ultimo dia de carnaval o que era para ser só diversão e um dia para fica na memória de todos os foliões vitoriense acabou em um "BARRACO" em plena Duque de Caxias(o polo do frevo na cidade), tudo se concretizou por causa do cantor Alceu Valença que não quis fazer um dueto com Pierre e nem quis parar de cantar para que o Bloco "A GIRAFA", pudesse passar na praça.
Isso gerou um tumulto e o cantou Alceu Valença se ridicularizou falando: se ele (Pierre) quisesse cantar suas músicas baianas que fosse para Bahia.Depois disso ele (Alceu) ainda falou que era um Cantor do Caralho,Cantor Internacional e deu banana em direção ao Trio Asas da América. Se retirou do palco junto com seus músicos e depois retornou ao mesmo.
Pierre com muita calma e com voz com um pouco de deboche e orgulho de ser da terra da pitú responde: Isso é Música de Vitória de Santo Antão. Por que o Carnaval, O CARNAVAL! Não se define só ao Galo da Madrugada Não! O Carnaval de Pernambuco, se define é no Interior! Por que agente tem GIRAFA o Bloco PERNAMBUCANO..... Chico Scienceeeeee...... Târam, Târam, Târam Tâmmmmm...Târam, Târam, Târam Tâmmmmm.
Enquanto a confusão se gerava Luis Ricardo tentava amenizar as coisas tentando acalmar Alceu,alguns foliões que estavam no show de Alceu deu as costas para ele para pular com Pierre e isso deichou o cantor ainda mais furioso.Alceu não deveria fazer isso em respeito a cidade que tem como A GIRAFA o maior bloco carnavalesco e também porque Alceu possui um contrato com o Governo de Pernambuco,portanto Alceu Valença mostrou que não possui respeito,que se acha o bam bam bam e que ainda por cima não possui EDUCAÇÃO. Acompanhe abaixo o vídeo

quinta-feira, 10 de março de 2011

Filipino de 56 centímetros aguarda para se tornar, oficialmente, o homem mais baixo do mundo



Mais disputado que Fla-Flu... Mais competitivo que Boston x Lakers, na NBA... Mais acirrada que apuração de notas de escola de samba no Carnaval do Rio...

É a "luta" para figurar no "Guinness", o livro dos recordes, como o homem mais baixo do mundo. E o reinado do simpático nepalês Khagendra Thapa Magar pode estar acabando.

Thapa Magar figura, por enquanto no livro como o homem mais baixo do mundo - são 67 centímetros. Entretanto, o filipino Junrey Balawing, 17, vem aí.

Balawing tem 56 centímetros, segundo o site oficial do "Guinness". Entretanto, ainda é menor de idade.

Para figurar no livro dos recordes, precisa completar 18 anos (o que acontece no próximo dia 12 de junho) - e ser medido três vezes em um mesmo dia. (A lei é dura, mas é a lei...) * EFE

Thapa Magar recebe certificado de registro de seu nome no "Guinness"


"Se eu fosse o homem mais baixo do mundo... Seria muito legal!", disse Balawing ao britânico "The Sun".

A disputa do homem mais baixo do mundo é tão acirrado que o antecessor de Thapa Magar, o ator colombiano Edward Nino Hernandez, figurou oficialmente no posto por... oito dias, apenas.


(

Arquivo do blog